quinta-feira, 28 de maio de 2009

HSBC recebe projetos de educação

O Instituto HSBC de Solidariedade recebe projetos de Educação que tenham como objetivo trabalhar na redução da vulnerabilidade de crianças e adolescentes aliada ao sucesso escolar.
Para essa seleção serão destinados R$ 2.400.000,00 (dois milhões e quatrocentos mil reais) para apoio a projetos durante 24 meses. Este recurso é proveniente da contribuição dos clientes do Banco HSBC, portadores do Cartão Instituto HSBC Solidariedade. Serão selecionados 40 projetos, em todo o território nacional, os quais receberão até R$40.000,00 (quarenta mil reais) no primeiro ano e até R$ 20.000,00 (vinte mil reais) no segundo ano.
As inscrições podem ser realizadas até o dia 21 de agosto. Mais informações estão disponíveis no site do Instituto HSBC.

sexta-feira, 8 de maio de 2009

Iphan lança edital Arte e Patrimônio dia 14 de maio

Com verba  de R$ 1 milhão, o edital Arte e Patrimônio contemplará dez projetos que criem diálogo entre as artes visuais contemporâneas e o patrimônio artístico e histórico nacional.

O edital é uma parceria do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan, com o Paço Imperial – centro cultural administrado pelo instituto, e integra o programa Brasil Arte Contemporânea do Ministério da Cultura, patrocinado pela Petrobras. Os recursos destinados ao edital serão divididos entre 10 projetos que receberão até R$ 100 mil cada. Os projetos deverão ser realizados obrigatoriamente entre os meses de setembro de 2009 e fevereiro de 2010.

As inscrições para o edital Arte e Patrimônio ficarão abertas de 15 de maio a 10 de julho de 2009, mediante preenchimento de formulário específico no site do edital , que estará no ar no dia 15 de maio. Mais informações: telefone (21) 2524-1662, das 10h às 17h, de segunda a sexta-feira, ou pelo e-mail info@artepatrimonio.org.br.

Exposição Ecos de Dakar


A jornalista Márcia  Guena inaugura a exposição Ecos de Dakar neste sábado (09) na Livraria Saraiva do Salvador Shopping, a partir das 16h. A exposição é composta por fotos feitas por Márcia em visita ao Senegal. Márcia pesquisa temas ligados à África e buscou elementos de identidade do povo do continente durante a viagem, captando gestos e elementos que apontassem a alma africana existente no Brasil. A exposição traz 30 fotos feitas nas cidades de Dakar, Bakel e Tambacounda, onde vive o povo Diola. A exposição fica em cartaz até o dia 23 de maio. Não deixe de conferir!

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Fome de Cultura

CARLOS AUGUSTO CALIL

"A fome de cultura poderá ser aplacada se recuperarmos o papel do Estado, por meio do investimento direto nas ações de interesse social ".

HÁ UM fenômeno marcante na cena cultural brasileira: a sociedade clama por oferta de espaços de lazer e convívio, pela universalização da expressão artística, correspondendo ao acesso à representação e à participação cultural. Paira uma fome de cultura no ar. Por anos, a Secretaria Municipal da Cultura, cuja origem ilustre remonta à criação do Departamento de Cultura em 1935 -intervenção pública pioneira em nível internacional- , permaneceu estagnada, numa posição de confortável irrelevância política.

Em 2005, a deterioração -e a progressiva paralisia- atingira a biblioteca Mário de Andrade, as 55 bibliotecas de bairro, os teatros distritais, enfim, boa parte da sua rede física. Tornara-se indispensável recuperar a iniciativa do governo, visando à prestação de serviço público de melhor qualidade e à preservação das coleções, dos edifícios e equipamentos. Era preciso sinalizar a mudança de atitude, contra o desânimo geral dos funcionários, descrentes de fantasias redencionistas, e ampliar o orçamento insuficiente. Em um sinal inequívoco de que a cultura alçava outro patamar na Prefeitura de São Paulo, seu orçamento foi de R$ 176 milhões em 2005 para R$ 383 milhões em 2008. A revitalização da biblioteca Mário de Andrade, segunda maior do país, foi priorizada. Ainda em 2009 deve ser entregue seu primeiro módulo, que prevê o restauro do prédio principal, com abertura para a praça que a circunda. Ao mesmo tempo, inicia-se a segunda etapa, com a incorporação de um edifício vizinho, que será habilitado a receber a imensa coleção de periódicos.

Reanimar as bibliotecas públicas foi o maior desafio. Abandonadas pela administração e pelos frequentadores, sua precariedade era chocante: muitas delas não dispunham sequer de banheiro em funcionamento. Para atrair novamente o público a esses espaços, implantamos o Projeto de Bibliotecas Temáticas -atualmente há sete em funcionamento- e atualizamos o acervo com novos livros e assinatura de periódicos. A descentralizaçã o dos espaços culturais é hoje inadiável. A implantação em 2006 do Centro Cultural da Juventude, em Vila Nova Cachoeirinha, respondeu em alto nível à demanda da comunidade. No coração de Cidade Tiradentes, inicia-se em breve a construção de um centro de formação cultural para prover a região de cinema, teatro, circo, biblioteca e salão de exposições, além de cursos de formação sequenciada em atividades como cenotécnica, iluminação e sonorização. Esse conceito inovador reúne no mesmo espaço condições para formação profissional e fruição cultural.

A partir da experiência libertadora da vivência cultural, está em curso um crescente processo de culturalização da sociedade. Só a impregnação da cultura na educação formal e nos programas de reabilitação social poderá devolver-lhes alguma expectativa de transformação. Nesse processo, a ação cultural mobiliza e estimula a participação dos jovens em busca de oportunidades de atuação e de afirmação das identidades individuais e de grupo.

Concentrada principalmente no centro da cidade, a Virada Cultural faz parte de um esforço de reocupação dessa área crítica, ainda deprimida após 40 anos de abandono. A cada nova edição, jovens descobrem as ruas e praças do centro velho à procura de sua atração, e tudo se passa sob a égide da relação direta entre poder público e população, sem a intermediação de bandeiras comerciais ou de patrocinadores do dinheiro público via leis de incentivo. O imposto recolhido pela prefeitura devolvido ao contribuinte no velho modo republicano. A Virada Cultural nos ensinou que o vetor que pode recuperar o centro histórico, mesmo na sua vertente construtiva, é o da valorização cultural. Fixada a vocação da região, cabe ao poder público criar condições para atrair atividades ligadas à cultura e às artes: escritórios de arquitetura, de design, produtoras de cinema, de teatro e dança, residências de artistas.

Associar recuperação concreta à simbólica, reurbanização física à humana é o caminho que se vislumbra. Basta observar, no entorno do vale do Anhangabaú, os movimentos espontâneos de abertura de novos bares e restaurantes, faculdades, requalificação de apartamentos em edifícios antigos, gestos inequívocos de convite ao investimento governamental. A fome de cultura poderá ser aplacada se recuperarmos o papel do Estado, por intermédio do investimento direto nas ações de interesse social. Ao assumir as suas responsabilidades, o poder público e seus parceiros darão respostas à altura das demandas vivas da sociedade.

CARLOS AUGUSTO CALIL , 57, é professor da Escola de Comunicações e Artes da USP e secretário municipal da Cultura de São Paulo.

Este artigo foi publicado no jornal Folha de S. Paulo em 06/02/2009.

terça-feira, 5 de maio de 2009

Sepromi apóia projetos que contemplem Raça e/ou Gênero

A Secretaria de Promoção da Igualdade do Estado da Bahia (Sepromi), está selecionando projetos, por meio de edital, com ênfase nas dimensões raciais e/ou gênero. O edital é aberto para movimentos sociais, organizações sociais e organizações não-governamentais, sem fins lucrativos. O valor máximo para apoio é de R$20 mil. O edital está disponível no site da Sepromi.

domingo, 3 de maio de 2009

Grupo Barlavento lança Cd no dia 28 de maio

O grupo Barlavento lança no dia 28 de maio, a partir das 20h, na varanda do Sesi Rio Vermelho, seu Cd Buraco de Maroca. O grupo já atua no cenário baiano há mais de 15 anos, ajudando a preservar e divulgar o autêntico samba de roda do Recôncavo Baiano, aquele feito por pescadores e mariscadeiras. O Barlavento já percorreu a Europa em três oportunidades, levando a música da Bahia para o velho continente. Não fique de fora dessa grande festa da música popular da Bahia, a entrada é gratuita.

O Cd é patrocinado pela Bahiagás, através de edital para apoio cultural.



video